ler mais...
26 Fevereiro 2010

Estranha a psicologia, a destes rapazes: Carlos Carvalhal diz-lhes que não se trata do jogo do tudo ou nada, à revelia de tudo aquilo que é verdade e de tudo aquilo que parecia sensato dizer – e de repente lá vão eles, em alta velocidade, fintando como quase nunca fintaram esta temporada, passando como não passavam há que tempos, correndo como já nem nos lembrávamos que corriam e arrancando, enfim, uma das melhores exibições (se não a melhor) de toda a época. Decididamente, eu nunca vou perceber esta equipa. E embora me pareça, por esta altura, que isso diz mais sobre ela do que sobre mim, agradeço humildemente esta alegria, por muito fugaz que seja – e comprometo-me desde já a deixar-me embalar pelo seu perfume até que não reste um só vestígio de odor.

Naturalmente, e no momento em que estamos da nossa sofrida existência, há vitórias que são perigosas – e nós temos já suficiente experiência em entusiasmos acelerados para nos deixarmos iludir de novo. Pode perguntar-se: mas tipos que jogam assim uma vez não podiam fazê-lo 30 vezes seguidas – e não seriam, com isso, suficientes para garantir uma candidatura “de facto” ao título de campeão nacional em 2010-2011? A resposta é clara: não. Se o Sporting jogou como jogou ontem, foi por uma de duas razões: ou porque Carlos Carvalhal aliviou a pressão aos jogadores, dizendo-lhes que o jogo não era de vida ou de morte; ou porque se tratava da última prova através da qual ainda podíamos dar um mínimo de dignidade à temporada. Ora, essas são condições que o Sporting nunca terá num ano vencedor. A pressão tem de existir sempre – e mal de nós todos se nos virmos novamente com uma qualificação para os oitavos-de-final da “Liga de Honra” europeia como última possibilidade de salvação da época.
Feliz ou infelizmente, está aí novo jogo com o FC Porto, para nos ajudar a recolocar as coisas em perspectiva. Pois o mínimo que nós podemos pedir, agora, é uma vitória. Uma vitória que signifique que, apesar do gosto com que nos vão redigindo os epitáfios, o Sporting ainda não está morto. Uma vitória que signifique que, apesar da extensão do fracasso, ainda houve neste campeonato alguma coisa que influenciámos. Uma vitória que signifique, aliás, que, mesmo fundamentalmente inúteis, estes jogadores têm dimensão suficiente para pelo menos tentar vender cara a necessária dispensa. Será o Benfica a ganhar o campeonato, nesse caso? Pois, meus amigos, se continuamos a respirar todos os dias – e a levantar-nos para trabalhar e a fazer a higiene matinal e a alimentar-nos o menos mal possível e a resistir à enorme tentação de terminar o dia num café esconso a encher a cara, como dizem os brasileiros – é porque há muito fizemos as pazes com essa inevitabilidade. De resto, a Terra continuará a girar, as águas a correr debaixo das pontes e as gerações a renovar-se. Talvez ainda haja tempo para evitar a extinção, no fundo. “Talvez” – eis o que uma simples vitória já é capaz de fazer pela nossa psique.

 

PS: a contratação de Costinha como novo director de futebol do Sporting deixa-nos, aparentemente, sem palavras. É uma sensação quase desconhecida para nós, sportinguistas: simplesmente ninguém parece saber o que dizer. E o mais provável é que também isso signifique mais sobre a dita contratação do que sobre nós.

CRÓNICA DE FUTEBOL ("Futebol: Mesmo"). Jornal de Notícias, 26 de Fevereiro de 2010

publicado por JN às 11:38

caro Joel

Estou como o sr , estupefacto! É para mim um grande mistério como uma equipa que dias antes tinha vencido o todo poderoso MU perde sem apelo nem agravo com uma equipa que há 7 jogos jogava vergonhosamente mal.
No mundo do futebol há certamente milhares de exemplos como este, porquê estas variações exibicionAIS ?
Os rapazes mostraram algo que eu já sabia, que sabem mais , muito mais do que têm mostrado em campo. Não chega para serem uma equipa campeã , mas chega para não fazerem passar vergonhas aos adeptos.
Mas porquê estas variações? Motivação? Mas não lhes pagam? Motivação, precisa um padeiro que parte o coiro a trabalhar de madrugada por tuta e meia.
O Costinha? Mais uma originalidade do JEB ? Creio que o Jorge Gonçalves já foi destronado como o pior presidente do SCP
jorge espinha a 26 de Fevereiro de 2010 às 13:45

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003), “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004), "Todos Nascemos Benfiquistas – Mas Depois Alguns Crescem" (crónicas, 2007) e "Crónica de Ouro do Futebol Português" (obra colectiva, 2008). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado na imprensa escrita, na televisão e na rádio, como repórter, cronista, comentador, apresentador e autor de conteúdos. (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D